Machine Learning é a nova aposta no e-commerce

Um dos ramos da IA é o machine learning. O “aprendizado de máquina”, o que , nada mais é do que sistemas que são desenvolvidos para treinar as máquinas para aprender com os dados.

Dessa maneira, os softwares podem realizar tarefas como interagir com clientes, prevenir fraudes ou mapear o comportamento do consumidor – sempre visando a satisfação do cliente.

Porque investir em machine learning

As plataformas digitais de e-commerce têm evoluído muito nos últimos anos. Com checkout inteligente, ferramentas mais robustas para análise dos dados, gestão personalizada, entre muitos outros exemplos, os gestores têm à disposição recursos dos mais variados para tornar seu serviço mais eficaz com a ajuda do machine learning .

Mas para que tudo isso seja palpável e, principalmente, se desenvolva cada vez mais e ofereça melhores experiências para os consumidores, empresas têm se apoiado no uso de inteligência artificial  em suas plataformas.

Machine learning é um problema ou a solução?

Mais automação não significa dispensar funcionários e sim concentrá-los em áreas de orientação estratégica do negócio. Ou seja, as pessoas podem focar na criação enquanto a máquina consegue executar as tarefas com mais velocidade e eficiência – já que é possível resolver tudo numa única plataforma, reduzindo as chances de erros.

Com o aumento na capacidade de processamento dos computadores e a melhoria nos sistemas de conexão à internet, os investimentos na área da tecnologia têm alavancado consideravelmente. Vide a consolidação de Big Data e da área de Business Intelligence.

O conceito de machine learning, por sua vez, já está sendo empregado com sucesso no varejo online, e as expectativas são de que os avanços na área se intensifiquem ainda mais nesse ano.

Em outras palavras, o machine learning é uma solução para dificuldades de uma gama bem ampla de empresas on-line, em áreas das mais variadas, da gestão à comunicação. E atualmente é impossível falar de e-commerce sem citar o conceito que promete revolucionar os moldes destas empresas e também a experiência do consumidor no comércio on-line. 

 

Apesar de estarem moldando o futuro do e-commerce, é preciso enfatizar que as bases para um bom desempenho já estão bem estabelecidas, e não necessariamente dependem da aplicação da inteligência artificial: valorizar a experiência do usuário, por meio de abordagens mais personalizadas.